Interface de audio para que serve ? Por que eu preciso de uma? : Magroove Blog

Interface de audio para que serve ? Por que eu preciso de uma?

Julho 11, 2019 • 13 min de leitura

Se você está montando um home studio, já deve ter se perguntado: afinal, a interface de audio para que serve? Será que eu realmente preciso adquirir uma? Talvez você não precise de uma interface de audio para começar a estudar produção musical, baixar sua primeira DAW (Digital Audio Workstation) e fazer suas primeiras experiências de captação e edição de sons. Mas, certamente, adquirir uma interface de audio será um dos primeiros investimentos que você deve fazer para melhorar a qualidade de suas produções e facilitar seu trabalho no estúdio.

interface de audio para que serve?

interface de audio para que serve?

Interface de audio para que serve?

A interface de áudio, também chamada de placa de som, é um dispositivo de hardware que tem como principal função fazer as conversões AD e DA. Ou seja: ela transforma o sinal analógico (“A”) de um microfone/instrumento em sinal digital (“D”, portanto “Analógico para digital” ou “AD”) e o sinal digital que sai do computador em sinal analógico (“DA”)

Os motivos para se ter uma Interface de áudio:

  • Otimizar o trabalho da CPU.
  • Fornecer Phantom Power para os microfones que precisam.
  • Pré-amplificar o sinal de audio.
  • Fornecer conectores para entradas de microfone e instrumentos (linha).
  • Oferecer saídas para monitor de audio e headphones.

Por que a interface de audio é importante?

A placa mãe do computador gerencia uma série de dados ao mesmo tempo. Quando a interface de audio faz a conversão AD ou DA, libera a placa mãe dessa tarefa e otimiza seu funcionamento.

Além disso, a placa de som permite gravações mais fiéis. Elas suportam melhores taxas de amostragem (sample rates) do som analógico.

Interface de áudio

Interface de áudio

Driver ASIO

É importante que você saiba que a maioria absoluta das DAWs utilizam o driver ASIO (Audio Stream Input/Output). Um driver é um programa de computador que controla determinado dispositivo de hardware. No caso do ASIO, ele controla os dispositivos de gravação de audio. Acontece que o ASIO só roda nas interfaces de audio. No caso do PC, os drivers de audio nativos, como o MME e o Direct X, não foram desenvolvidos para produção musical. Assim, mesmo que sua DAW reconheça o driver de audio, haverá muita latência. Quer dizer: atraso na reprodução do som nos trabalhos de gravação e edição.

Em 2003, foi lançado para PC o ASIO4All. Esse driver foi criado para diminuir a latência e simular o ASIO das placas de som de forma a ser reconhecido pelas DAWs.

No caso do MAC, o driver de audio, Core Audio, tem latência menor do que os drivers do Windows. Sua qualidade e latência teoricamente já permitem que gravações satisfatórias sejam feitas, mas você fica sem todos os recursos que a interface teria para oferecer.

Sendo assim, nada como rodar uma DAW com o driver para o qual ela foi projetada. Seja qual for seu sistema operacional, o ASIO garante melhor processamento de audio e baixa latência na gravação.

Para saber mais sobre as diferenças dos drivers de MAC e PC aqui.

Se vou gravar voz ou instrumentos, a interface de audio para que serve ?

Seja com o PC ou seja Mac, não é recomendável que você utilize a entrada de microfone de seu computador para gravar músicas. Ela até tem uma espécie de pré amplificador, mas não tem uma relação adequada de impedância e não tem a capacidade de fornecer Phantom Power.

Na maioria dos computadores, a entrada de linha é uma conexão P2. Essa conexão serve bem para microfones de utilização doméstica, mas deixa a desejar no processo de produção musical. Além disso, por via de regra, a qualidade de conversão será pior que quase qualquer interface, mesmo que barata.

O ideal é que você conecte seu microfone a uma entrada própria para isso. Ou seja: a entrada XLR que você encontrará nas placas de som. Além disso, gravando com a entrada de microfone de seu computador, você não poderá utilizar um microfone condensador, que são mais sensíveis aos detalhes do som. Isso por que a entrada de microfone de seu computador não fornece energia elétrica para que esses microfones possam funcionar.

Você pode utilizar um microfone condensador com conexão USB. Esses microfones têm o conversor AD embutido e recebem alimentação elétrica pela entrada USB. Eles podem ser uma solução prática, porém provisória. Alguns modelos de microfones com USB são até razoáveis, mas eles não são ideais para produção musical. Você pode acabar preso a um setup amador.

Se eu produzo apenas música eletrônica, a interface de audio para que serve ?

Mesmo que você não grave voz ou instrumentos e que seu trabalho seja 100% inbox, a interface de audio vai potencializar seu fluxo criativo. Se você vai produzir música eletrônica, vai trabalhar com Plugins : programas que rodam dentro de sua DAW. Você utilizará Plugins de efeitos, como delay e reverb. Também vai trabalhar com Plugins de instrumentos virtuais, como sintetizadores.

Normalmente, você trabalhará com diversos Plugins ao mesmo tempo. Isso sobrecarrega o processamento de seu computador. É chato quando a DAW trava bem na hora que você teve uma ideia, não é mesmo?  Além de diminuir a latência, a utilização da interface de audio faz com que os programas travem menos, garantindo seu workflow.

Comprando minha interface de audio.

Chegou o momento de investir em uma interface de audio?  Aqui vão algumas dicas:

O que devo observar na hora de comprar minha interface de audio?

  • As entradas e saídas para microfones e linhas.
  • O tipo de conexão com o computador.
  • A SNR (Relação Sinal Ruído) e a THD (Distorção Harmônica Total).
  • Se tem processador de sinal DSP.
  • Se os pré-amplificadores são de boa qualidade.

Você pode obter mais informações sobre essas questões e outras nesse artigo.

Entradas e saídas para microfones e linhas

Com relação ao número de entradas, você deve avaliar quantos instrumentos ou vozes pretende gravar simultaneamente. Se vai gravar uma orquestra com microfonação individual, por exemplo, você precisará de muitas entradas de microfone. Mas, normalmente, para trabalhos de estúdios caseiros, duas entradas são suficientes.

  • A interface deve ter conexões XLR para microfones e P10 para instrumentos.
  • Não esqueça de verificar se a interface oferece Phantom Power para ligar microfones condensadores.
  • Também verifique a presença de saídas P10 para monitores ativos e P2 estéreo para fones de ouvido.
  • A saída RCA pode ser interessante. Ela facilita a conexão de alguns monitores de pequeno porte.
  • Também verifique os conectores MIDI: aqueles de 5 pinos. MIDI (Musical Instrument Digital Interface) é a linguagem que permite que você trabalhe com instrumentos virtuais. Atualmente os dados MIDI podem ser transmitidos de diversas formas, como por USB ou Bluetooth, mas os conectores MIDI ainda podem ser úteis

Tipo de conexão com o computador

As placas de som podem vir com entradas USB, Firewire ou Thunderbolt. Observe se seu computador tem a opção de conexão adequada!

  • Firewire: Atualmente, a conexão Firewire está sendo abandonada.
  • Thunderbolt: A conexão Thunderbolt transmite dados com bastante velocidade, mas nem todos os computadores possuem essa entrada.
  • USB: No caso de conexão USB, ela deve ser 2.0 ou mais avançada. 

SNR (Relação Sinal Ruído) e THD (Distorção Harmônica Total)

O SNR indica o nível de ruído e a interferência no sinal do áudio. Quanto mais alto o SNR melhor será o audio. O THD indica o nível de distorção. Quanto menor o THD, mais fiel o som. (Importante: Não necessariamente isso é válido sempre, às vezes THD pode ser interessante, no caso de equipamentos vintage ou efeitos que injetam distorção intencional)

Processador de sinal DSP

Atualmente, as placas de som de alta qualidade vêm com DSP (Digital Signal Processing) integrado. O DSP é um processador de sinal digital que divide com o computador a tarefa de processamento do som. O DSP pode ser muito útil se o processamento de seu computador deixa a desejar. Interfaces com DSP também costumam oferecer efeitos, como reverb ou compressão.

Qualidade dos pré-amplificadores.

Se você for trabalhar com gravações, é muito importante que obtenha informações sobre a qualidade dos pré-amplificadores das entradas da placa de som.

Interfaces baratas e populares.

Aqui vão cinco dicas de interfaces com excelente custo/benefício. Todas elas possuem:

  • 2 entradas pré-amplificadas para microfone ou instrumento.
  • Phantom Power.
  • Saídas para headphones.
  • Conexão USB 2.0.
  • Saídas para monitores ativos.

Focusrite Scarlett 2i2

  • É uma das placas mais vendidas no mundo.
  • É conhecida por seus excelentes pré-amplificadores e por sua ótima relação sinal/ruído.

M-Audio M-Track 2×2

  • Excelente preço!
  • Tem apenas uma entrada com conexão XLR.

Tascam US-366

Tem como diferenciais:

  • Conexão óptica e coexical,  que permite ligar equipamentos como um CD player ou um rack de efeitos.
  • DSP mixer.
  • Compressor, equalizador e reverb internos.

PreSonus Studio 26

  • 4 saídas para monitores ativos.
  • Conexão MIDI de 5 pinos.

Steinberg UR22

  • Conhecida por seus bons pré-amplificadores.
  • Possui conexão MIDI de 5 pinos.

Produção Musical – Qual a melhor interface de áudio para cada caso?

Interface de áudio em home studio

Até este ponto já cobrimos uma boa parte do tópico. Agora, iremos nos aprofundar um pouco mais nos tipos de interface de áudio e qual delas é melhor para cada situação.  Afinal de contas, qual é a melhor interface de áudio para mim?

Antes de prosseguirmos, que fique claro que não existe uma resposta certa. Como já vimos anteriormente neste artigo, a interface de áudio depende do tipo de trabalho que você faz. Mas como escolher?

Cantores

A minha sugestão é que vocês optem por uma interface com um pré-amplificador de microfone de boa qualidade. Além de uma conexão de fones de ouvido boa. Por exemplo o Focusrite Scarlett Studio.

Guitarristas

Optem por uma interface com uma entrada dedicada para guitarra. Por exemplo o Focusrite Scarlett Solo Studio.

Bandas e grupos

Múltiplas entradas ou um USB Mixing Desk lhe permitirá gravar várias faixas de uma só vez. Por exemplo o Behringer Q1202USB 12-Channel Mixer.

DJs

Dê preferência por uma interface de áudio que possua um line-in de alta qualidade. Além da possibilidade de monitorar diretamente pelos fones de ouvido enquanto envia um sinal separado para o sistema de monitores/ PA. Por exemplo o Behringer U-Phoria UMC202HD com seleção A/B para DJ.

Tecladistas e pianistas

Busque uma interface de áudio com boas entradas de linha para gravar o som do seu teclado e, de preferência, também o MIDI. Por exemplo a interface de áudio PreSonus iTwo.

Estúdio Mobile

Procure as interfaces dedicadas que funcionam no iPad ou Android. Escolha uma multiplataforma que também funcione no seu laptop. Por exemplo o IK-Multimedia iRig Pro Duo.

Entenda os termos técnicos

Muitos destes termos você já conhece e viu anteriormente, inclusive neste mesmo artigo. Mas vamos revisar a aprofundar o conhecimento.

Durante a pesquisa e escolha pela melhor interface de áudio você provavelmente vai se deparar com alguns destes. Mas você sabe o que significam? Isso com certeza pode ajudar você na hora da escolha. Da mesma forma como na compra de um automóvel, quanto mais você souber e entender do equipamento que está adquirindo, melhor. Vamos ver alguns dos termos mais comuns e o que significam.

MIDI

Você com certeza já deve ter visto esse termo diversas vezes. No caso das interfaces de áudio, algumas delas também têm entrada e saída MIDI. Não é tão essencial ter uma interface de áudio com entrada e saída MIDI como era antes. Isso porque a maioria dos controladores MIDI modernos trabalha com USB.

Sample Rate

É quantas vezes por segundo um som é “amostrado” (“sampleado”) para criar o sinal digital. Quanto maior a taxa de amostragem, maior a faixa de frequência dos sons que podem ser gravados e processados. A taxa de amostragem padrão é de 44,1 kHz, que pode gravar sons de até 22 kHz. Não conseguimos ouvir acima de 20kHz, então a amostragem de 44,1kHz vai parecer ser suficiente, e geralmente é. No entanto, a amostragem em taxas mais altas (normalmente 88,2/ 96) permite que os filtros exigidos no áudio digital estejam bem fora do alcance da audição humana, o que melhora a qualidade. Portanto, quando você escolhe uma interface de áudio, essa é uma das maneiras de compará-las.

Latência

Latência é quando há um atraso perceptível entre o som real e a reprodução nos fones de ouvido ou alto-falantes. Para quem trabalha com produção musical, isso pode vir a ser um problema. Sem falar que é irritante. Nos computadores modernos, a latência não é tão ruim como costumava ser, mas as placas de som padrão incorporadas nos computadores não são boas. Uma interface dedicada aprimora isso a ponto de você nem perceber nenhuma latência. Portanto, se você já gravou partes de um vocal e ouviu a reprodução atrasada em frações de segundo em seus fones de ouvido ou usou um teclado MIDI para tocar um sintetizador de software, mas encontrou um atraso entre pressionar uma tecla e ouvir o som, uma interface de áudio corrigirá esse problema.

Monitoramento de latência zero (ou monitoramento direto)

Muitas interfaces de áudio possuem um interruptor para permitir que você ouça o som diretamente de sua origem. Portanto, se você estiver gravando sua voz, ouvir instantaneamente diretamente nos fones de ouvido, não vai ter aquele atraso irritante. Esse com certeza é um recurso muito útil, algo a ser observado quando você for comprar sua interface de áudio.

Drivers

São peças de software que permitem que uma interface de áudio se comunique com o computador. Como já mencionado, eles ajudam a reduzir a latência a níveis quase imperceptíveis.

Pre-Amps (Pré-amplificador)

Também conhecido como “mic-pre”. Este é o pré-amplificador de microfone, que amplifica o sinal (geralmente muito baixo) de um microfone até um nível adequado para gravação. Se você quiser fazer uma boa gravação usando um microfone, precisará de uma interface com uma entrada adequada e um bom pré-amplificador.

48V Phantom Power

Alguns microfones precisam de energia, para acionar circuitos ativos ou, mais comumente, para polarizar as placas de um microfone condensador. Se você deseja conectar um microfone que requer Phantom Power, será necessário adquirir uma interface com um interruptor de Phantom Power. Se você tiver um microfone dinâmico, isso não será um problema.

Em conclusão, como escolher?

Quisera eu poder dizer que existe um modelo “X” ou “Y” que serve para todas as situações. Ou pelo menos para a maioria delas. Infelizmente não é assim tão fácil. Então aqui seguem mais algumas dicas que podem ajudar você na hora de escolher a interface de áudio perfeita.

Eu acredito que primeiramente você precisa ter definido quais são as suas necessidades. Não existe um modelo ou marca que é universalmente perfeito para todos os casos. Até porque, eu não sei quanto você pode investir em uma interface de áudio. Os valores variam bastante de um modelo/ marca para outro. Uma interface ideal para você pode ser muito diferente daquela que é ideal para mim.

A minha sugestão é escolher uma boa interface de áudio, que atenda as suas necessidades agora. Futuramente você pode pensar em fazer um upgrade no seu estúdio. Mas não corra o risco de investir além do seu limite com uma interface que é muito mais do que você precisa de fato.

Esperamos que este artigo tenha sido abrangente o suficiente. O nosso objetivo aqui é abordar cada um dos aspectos que você pode vir a se deparar quando estiver escolhendo sua interface de áudio. Mas se ainda tiver dúvidas, ou se tiver sugestões e comentários, ficaremos felizes em trocar algumas ideias.